sexta-feira, 30 de julho de 2010

A partir de hoje o Portal do Tempo vai entrar em piloto automático e por período indeterminado.

Para ouvir neste período aqui fica a minha sugestão, o 1.º álbum da OPPP - Orquestra Popular de Paio Pires, editado em Maio de 2009, pela net label Clinical Archives.

Encontramo-nos por ai.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Death in June

Live at the Fridge, London 1982, featuring the original Death In June trio (Douglas P., Tony Wakeford, Patrick Leagas).

Arcade Fire

Os canadianos Arcade Fire lançaram um vídeo promocional do espectáculo que vão dar a 5 de Agosto no Madison Square Garden, em Nova Iorque, e que será transmitido através do Youtube.

domingo, 18 de julho de 2010

[Cassetes]: Corrosão Cerebral

















a1 Residuos Tóxicos - Necro Pátria
a2 Ovo - Wicked Society
a3 Ik Mux - Germe
a4 Ocaso Épico - M. Obx
a5 Entropia Parva - Falsos Mártires
a6 Erros Alternados - Qés
a7 L'Ego - Silicon Bay
a8 Nuno Rebelo (with Sei Miguél & Fala Mariam) - Uma História do Ali-Babá
a9 Grupo Excursionista - Fim
b1 Hesskhé Yadalanah - Aqua Vulva Love Affair
b2 Hypthinit - In The Nursery
b3 Die Neue Sonne - Feto
b4 HIST - ...Plus Des Enfants
b5 Nihil Aut Mors - S4 (ao Vivo Em Viseu 08-03-91)
b6 C.D.C.R. - Chuang Tzu
b7 Hospital Psiquiátrico - Homem Morto
b8 Vcorux Aeia - Lunação Meridiana, For Attinte Tala Om Alla Dessa Kuinor

quinta-feira, 8 de julho de 2010

segunda-feira, 5 de julho de 2010

domingo, 4 de julho de 2010

ChameleonsVox - Lisboa - 03.07.2010

















Foto que captei ontem à noite no Santiago Alquimista, naquele que foi um concerto inesquecível.
Mais... brevemente no Grey Age


terça-feira, 29 de junho de 2010

Biografia da banda:

Os Chameleons formaram-se em Middleton, em 1981, quando Mark Burgess (ex-Clichés), Reg Smithies (ex-Years), Dave Fielding (ex-Years) e Brian Schofield (substituído pouco depois por John Lever), que faziam parte do mesmo grupo de amigos e da onda pós-punk que emergiu em Inglaterra no início da década de ouro da música, resolveram criar aquela que é uma das bandas, a par dos Joy Division, que mais influenciou todo o revivalismo que actualmente se vive no seio da música alternativa (Editors, Interpol, She Wants Revenge, White Rose Movement, etc.).

O 1º single da banda, In Shreds (1981), é uma das suas faixas mais agressivas e carismáticas chamou a atenção do lendário John Peel, o que lhes valeu várias radio sessions, algumas editadas posteriormente em compilações.

Entre 1981 e 1983, os Chameleons foram ganhando notoriedade no circuito independente britânico, conseguindo angariar uma legião de admiradores que os seguia por todo o país. Apesar de não terem um tostão furado, foi um período de grande criatividade da banda, a que não foi alheio os períodos reflectivos passados à beira do Loch Ness (e também a influência dos cogumelos alucinógeneos, segundo a biografia “View from a hill” do Mark Burgess).

Em 1983 é finalmente lançado o primeiro álbum de originais, e que além dos singles Up the down escalator, Don´t fall, As high as you can go e A person isn´t safe anywhere these days, incluí aquela que é unanimemente considerada como a melhor composição da banda, Second Skin. O álbum foi justamente aclamado pela crítica e pelo público, atingindo o patamar de discos como Unknown pleasures (Joy Division), From the lion´s mouth (The Sound) ou Ocean rain (Echo & the Bunnymen). Para isso contribuiram ainda faixas como Pleasure and pain, Paper tigers e View from a hill. Resumindo, foi um verdadeiro desfile de pequenas obras de arte.

Dois anos volvidos, e surge então o sempre difícil segundo álbum da banda. What does anything mean? Basically (1985), mostra uns Chameleons com um som mais trabalhado e mais suavizado, como aliás se nota logo no instrumental de abertura, Silence, Sea and Sky. Apesar do interesse na banda ter esfriado um pouco, foram convidados pelo John Peel para mais uma sessão, e foi editado também um single, Singing Rule Britannia (While the Walls Close In). Não sendo um álbum brilhante como Script of the bridge, atingiu momentos muito altos com faixas como Home is Where the Heart Is ou Perfume garden. Foi por esta altura que tocaram em Portugal, no Rock Rendez-Vous. No you tube conseguem encontrar um registo antigo gravado pela RTP com 4 das faixas tocadas em Portugal.

Em 1986 sai a primeira das muitas compilações dedicadas à banda, The fan and the bellows, e que incluí as primeiras músicas gravadas pelos Chameleons e que não tiveram lugar no primeiro álbum, casos de Nostalgia, In shreds ou The fan and the bellows.

Logo de seguida a banda lança o terceiro álbum de originais, Strange times. Tal como o próprio nome do disco indica, foi um parto bastante difícil, uma vez que as clivagens entre os membros da banda, tendo por um lado o Mark, por outro o Reg e o Dave (este incompatibilizando-se de forma radical com o Mark) dava já a entender que o final da banda poderia estar para breve. Mesmo assim, apesar do disco demonstrar claramente as diferentes direcções seguidas pelos seus membros, este é considerado como o álbum preferido pelos fans dos Chameleons, tendo inclusive 2 singles com entrada no top britânico: Tears e Swamp Thing.

Por esta altura dá-se também um acontecimento trágico. O mítico Tony Fltecher, manager da banda, aparece morto e os Chameleons resolvem cessar as actividades, não sem antes lançar um último EP, Tony Fletcher Walked On Water...La La La La La-La La-La La. Apesar das já públicas divergências da banda, este EP permanece com um dos seus tesouros mais bem escondidos, e qualquer uma das suas 4 faixas permanece ainda hoje como das melhores dos Chameleons.

Depois deste encerramento prematuro, os membros dos Chameleons resolveram seguir diversos projectos paralelos, casos de The Sun and the Moon, The Reegs, Mark Burgess and the Sons of God, Invincible, entre outros. Nunca atingiram, no entanto, o sucesso e o reconhecimento que obtiveram com os Chameleons. De todos os projectos, houve um, no entanto, que sobressaiu pela sua grande qualidade: White Rose Transmission. Ou não se tratasse de uma colaboração entre o Mark Burgess e os seus amigos Adrian Borland (The Sound) e Carlo Von Putten (The Convent).

Durante este período foram saindo inúmeros discos com material nunca antes editado (compilações, álbuns ao vivo, etc.), e que foi dando para manter financeiramente os membros da banda. No entanto o dinheiro começava a escassear, Adrian Borland atira-se para debaixo de um comboio, e o Mark propõe em 2000 deixar para trás as divergências com o Dave e reactivar a banda para uma série de concertos e um novo álbum de originais. Este trabalho culmina com a edição de um álbum acústico, Strip (2000), que incluía já 2 temas inéditos, e um ano depois o 4º álbum de originais, Why call it anything. Este disco não reuniu nunca o consenso do público, ate porque incluía um elemento “estranho” à banda, Kwasi Asante, contribuindo para uma sonoridade mais reggae em algumas das faixas (bastante vísivel no Miracle and wonders). No entanto, este disco mostrou também que a criatividade da banda não se tinha esfumado, e composições como Indiana, Anyone Alive? e em especial Dangerous land faziam sonhar no regresso aos tempos áureos dos Chameleons.

Em 2003, depois do Dave recusar-se a comparecer num concerto em Atenas, a banda dissolve-se de vez, continuando os seus membros em inúmeros projectos paralelos (realce para o excelente projecto Black Swan Lane, que já lanço 3 excelentes álbuns). Haverá uma 3ª vida para os Chameleons? A recente edição comemorativa dos 25 anos do Script of the bridge indica que poderá haver…

Para já vamos ter a oportunidade de ver Chameleonsvox ao vivo em Lisboa, reunindo o Mark Burgess, John Lever, Tony Skinsis e possívelmente alguns elementos dos The Comsat Angels.

Discografia da banda:

Álbums de originais:
1983 Script of the Bridge
1985 What Does Anything Mean? Basically
1986 Strange Times
2001 Why Call It Anything?

Álbums ao vivo:
1992 Tripping Dogs
1992 Live in Toronto
1993 Aufführung in Berlin
1993 Free Trade Hall Rehearsal (Tripping Dogs remasterizado)
1996 Live at the Gallery Club Manchester
1996 Live Shreds
2000 Strip
2002 This Never Ending Now
2002 Live at Paradiso
2003 Live at the Academy

Compilações:
1986 The Fan and the Bellows
1990 John Peel Sessions
1992 Here Today...Gone Tomorrow
1993 The Radio 1 Evening Show Sessions
1993 Dali's Picture
1994 Northern Songs
1997 Return of the Roughnecks: The Best of the Chameleons (2CD)

Singles e EPs:
1982 In Shreds/Less Than Human
1983 Up the Down Escalator
1983 Don't Fall
1983 As High As You Can Go
1983 A Person Isn't Safe Anywhere These Days
1985 In Shreds/Nostalgia
1985 Singing Rule Britannia (While the Walls Close In)
1986 Mad Jack
1986 Tears
1986 Swamp Thing
1987 Tony Fletcher Walked On Water...La La La La La-La La-La La

Vídeos:
Live at the Camden Palace
Arsenal
Live at the Hacienda
Live at the Gallery Club
Resurrection
Singing Rule Brittania
Live from London
Ascencion

Texto de André Leão